segunda-feira, 22 de abril de 2013

É que ontem foi aniversário da minha mãe, mas eu tinha um vazio no peito e os olhos rasos d'água, porque no carro, ao meu lado, existia um banco vazio. E eu pensei que você poderia estar ali com a gente, comigo. Pode parecer bobagem chorar ou ficar triste por isso, mas é que eu sempre quis que a minha família te conhecesse e visse como você é incrível. E você então conheceria a minha mãe que já te ama sem nem mesmo te conhecer (isso graças ao brilho nos meus olhos ao falar seu nome) e ela iria te contar a história de quando eu tinha seis meses de idade e já tentava fugir de casa. E você conheceria o meu avô que é sempre cheio de histórias engraçadas. E você seria amigo do meu irmão e nos finais de semana iriamos ao cinema ou a uma pizzaria. E tenho certeza que meu pai teria orgulho de você, porque saberia que no mundo não existiria pessoa melhor para estar ao lado da sua filha. E nos almoços de domingo você seria nossa ilustre visita. É, eu sei que a gente nunca teve muito. Mas eu sonhei com tudo isso. E pode parecer a coisa mais idiota da face da terra, mas eu ainda continuo sonhando todos os dias.