segunda-feira, 29 de julho de 2013

Isso é tão ridículo que eu tenho vontade de arrancar o meu coração cada vez que você entra por aquela porta e olha por cima do óculos, com cara de quem sabe o que tô sentindo, mas não dá a mínima. É tão assustador nunca ter essa certeza. As vezes passo pela rua da sua casa. Olhando a todo instante, são tantas janelas, tantas luzes, tantos andares, e um deles é o seu, uma delas tem de ser a sua. Mas eu nunca soube.
E para as noites em claro, digo que é insônia, que preciso ir ao médico o quanto antes, mas o nome disso eu sei que é amor.
Desculpa. Já tivemos essa conversa e o combinado foi cada um seguir o seu caminho. O problema é que se tem uma coisa que eu aprendi contigo, é que esse acordo não funciona no final das contas. Nosso coração já tá preso dentro do peito, lembra? Ele não dá a mínima para as leis que o cérebro inventa.