terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

É como se você perdesse um abraço ou uma perna e tivesse aprendido a viver sem. E uma hora alguma dificuldade, ou até mesmo um gesto mais simples, vai te lembrar que falta um pedaço.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Iaiá, eu li num soneto de amor que as lágrimas que tu não chora, Iaiá, se escondem num rio dentro de tu ♫

domingo, 5 de fevereiro de 2012

sábado, 4 de fevereiro de 2012

É estranho ter que apagar isso da minha vida. É estranho ter pensar que nada disso existiu de verdade. É estranho de repente não significar mais nada. É estranho sentir tanto assim quando o olhar, o cheiro e o timbre do sorriso ainda são imaginários. É estranho ter que fingir não se importar quando  na verdade lágrimas caem involutariamente dos olhos e o peito aperta. É estranho.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Não, ninguém no mundo pode ter noção do misto de sentimentos que se passa aqui agora. E eu odeio muito quando não consigo descrever o que eu tô sentindo e o porque que eu tô assim, mas eu sei que dói bastante e eu não sei o que fazer pra isso passar. É uma mistura de angústia, pressa em ser livre, egoísmo, orgulho, saudades, medo do futuro, mágoa, dor. E eu respiro tentando encher os pulmões de alguma luz que me guie, mas ainda assim dói bastante. Nossa, é como se alguém estivesse arrancando um pedaço de mim a dentadas e eu não pudesse fazer nada pra isso passar. É um sabor amargo e corrosivo do qual já havia esquecido.